domingo, 12 de julho de 2009

Cartão Postal


Apagar as luzes e continar com os olhos abertos e gritando. Não te vejo mais na esquina. A sala vazia, sua cortina vermelha e o ócio. Dói, dói. Ouvir um blues sem tuas mãos por perto. Acabou. E continuo não gostando de pontos finais, não me agradam. Quero agora procurar os restos para jogar no lixo ou dar descarga, como preferir. Minhas dores de cabeça continuam, não gosto mais de tomar porres. ECT. Mas 'tudo é tão simples que cabe num cartão postal, e se a história é de amor não pode acabar mal'...será, Cazuza? Talvez seja só um surto de poesia. Talvez seja...

'o adeus traz a esperança escondida..'

Bianca Azenha


2 comentários:

Menino-Homem disse...

isso é mágico.
um cena feita e ao mesmo tempo um imensa margem a se imaginar...
por que?

adoro tu,
beijos bem grandes.

Poeta Mauro Rocha disse...

Texto bonito!!

Um abraço!