segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

a descoberta


Ah Maria, seus pés já não alcançam...
Seus cabelos fétidos, o vômito.
Volte para casa.
Deixe-se, seu suor não engana.
Os olhos esbugalhados,
Ah Maria!
Que mãos calejadas!
E nenhum amor lhe espera...
Volte para casa.
Lembra-se dos livros que deixou?
Maria que não quer ser Maria,
Porque nunca foi Maria.
Seja como antes,
Quando nunca ouvira falar de Maria e era apenas maria.
A boca enjoada de tanta ânsia, o vômito.
Os vermes lhe esperam.
Ah mulher, escute-me,
Volte para casa...
(Bianca)

6 comentários:

jcdigital disse...

Pra ser sincero, não entendi nada do poema, com tanta Maria, algo meio imaginado.

;(

Henrique Hemidio disse...

Mas é preciso ter força é preciso ter raça é preciso ter gana sempre


Maria Maria

bia de barros disse...

Ah, Maria...
Não fiques tão triste num início de ano; sempre há um vestígio de luz...

beijos, flor...
e um lindo 2009 pra vc.*

Petter Phillip Cowell disse...

Otimo texto.

Alice Brasil disse...

Seu blog foi premiado com um selo Dardos e as regras estao postadas no meu blog, dps passe para pegá-lo.

www.diarioalicewbrasil.blogspot.com

Beijos!!!

Ass: Meg Macedo

Bobagem com Mouse disse...

Maria não quer ser Maria...
Porque nunca foi Maria!!!
Ela nunca se descobriu???
Independente de qualquer coisa a pessoa tem que ser o que realmente é...Não se esconda por nada ou por ninguem...
Gostei da postagem!!!

http://oitentando.blogspot.com/