terça-feira, 4 de agosto de 2009

RITMO

Olhos nos olhos
colados,
suados,
calados.
E na pele os calafrios.
Na boca,
poliglotas línguas.
Nos sexos,
mãos.
No compasso da música
profunda
inunda,
desnuda.
As unhas cravadas.
Pupilas
Braços, pernas, janelas.
Um suspiro,
o inesperado,
o terno,
o descancarado.
Abraços.
Um sorriso calado.
O quente na cama
profana,
que chama,
engana
o casal de enamorados.
Bianca Azenha

3 comentários:

Menino-Homem disse...

sublime!

de uma plenitude romântica e fortemente sensual e poética... uma cena gostosa,

como gostei...!

beijos,
saudades de tu menina-lustre,
do homem-menino que te adora muito.

Léo Metallica disse...

"O quente na cama
profana,
que chama,
engana"

Esse final foi bacana. Destaco a certeza com que a mulher diz engana ao passo que não tá nem importando-se com essa questão.

Coisas de mulheres... Elas são sempre pés no chão... sabem o que se passa na cabeça de seus homens... mais ainda assim elas dominam a situação direitinho.

Entram em terreno perigoso e ainda extraem ouros do perigo.

Direto do Rio.
Beijos.

HSLO disse...

Gostei do blog...viu.

Parabéns...

Vou te linkar aos meus favoritos


Abraços


Hugo de Oliveira